Glossário

O glossário da Schroders foi concebido para ajudar a clarificar termos utilizados nos documentos de investimento.

Este guia foi criado para facilitar a compreensão dos documentos de investimento e para clarificar alguns dos termos mais comuns. Foi dada ênfase à clareza e à brevidade em vez de se tentar abranger todos os detalhes complexos.

À medida que avançar na leitura, irá reparar que algumas palavras têm hiperligações. Isto significa que a palavra ou expressão também têm a sua própria entrada e que poderá ter de fazer uma pesquisa para compreender melhor.

Esperamos que ache este guia útil e fácil de assimilar. Fizemos todos os esforços para garantir que os termos estão corretamente descritos. Contudo, as descrições não são definitivas e poderão diferir de outras interpretações utilizadas.

Transfira uma versão em PDF do glossário aqui.  

A

Aberto
Isto refere-se a um veículo de investimento combinado, como um unit trust ou OEIC, que pode emitir números ilimitados de unidades de participação ou ações. Isto significa que o número de unidades ou ações no fundo sobe à medida que o dinheiro é acrescentado e desce à medida que é tirado.
Ações
Uma ação da propriedade de uma empresa.
Agência de notação de crédito
Uma empresa que atribui notações de crédito a emitentes de dívida – como governos ou empresas. Agências de notação de crédito reconhecidas incluem a Standard & Poor’s e a Moody’s.
Agências governamentais
Uma organização permanente que faz parte da estrutura mais ampla do governo e é responsável pela supervisão ou administração de uma função específica, como segurança nacional ou regulação dos mercados financeiros.
Alavancagem
Pedir dinheiro emprestado para investir com o objetivo de aumentar os retornos. Por exemplo, se investir 100 £ e obtiver um retorno de 5%, ganha 5 £. Pede emprestado 20 £ extra para investir e ganha 6 £ (menos o custo do empréstimo do dinheiro). No entanto, com a alavancagem, existe um grau de risco mais elevado. Enquanto o potencial de crescimento pode ser superior, as perdas também podem ser mais substanciais. Os derivados como futuros ou opções podem também ser utilizados para alavancar uma carteira de investimento. Um pequeno movimento no preço de um ativo subjacente pode também fazer uma grande diferença no valor de um produto derivado e aumentar dramaticamente os retornos. Também conhecido como efeito de alavancagem.
Alfa
Um indicador que o pode ajudar a identificar se uma carteira gerida ativamente tem valor acrescentado em relação ao risco assumido relativamente a um índice de referência. Um Alfa positivo indica que um gestor tem valor acrescentado.
Alocação de ativos
A distribuição dos ativos de uma carteira entre classes de ativos e/ou mercados.  Por exemplo, um fundo poderá deter uma combinação de ações, obrigações e numerário. As ponderações dadas variam de acordo com o objetivo de investimento e a perspetiva de investimento. 
Alocação dinâmica de ativos
Uma estratégia que envolve um reequilíbrio da mistura de ativos numa carteira à medida que os mercados sobem e descem e de acordo com o resultado esperado do gestor para diferentes ativos no futuro. Por outras palavras, se o gestor esperar que as ações registem um desempenho superior no mês seguinte irá aumentar a exposição. Esta situação é oposta à alocação passiva de ativos, onde uma mistura de ativos é definida a longo prazo (por exemplo, 60% de ações; 40% de obrigações), ou onde a mistura de ativos da carteira só é alterada de acordo com outras situações (por exemplo, colapso de diferentes mercados no índice de referência).

B

Beta
Mede a extensão média na qual um fundo se move em relação ao mercado mais amplo. O beta de um mercado é 1. Um fundo com um beta superior a 1 move-se em média numa extensão superior à do mercado. Um fundo com um beta inferior a 1 move-se em média numa extensão menor. Se o beta for um número negativo, é provável que a ação e o mercado se movam em direções opostas.

C

Capitais privados
Títulos de capital de empresas que não se encontram cotados numa bolsa pública. A transferência de capitais privados é rigorosamente regulada; desta forma, qualquer investidor que procurar vender a sua quota numa empresa privada tem de encontrar um comprador na ausência de um mercado.
Capitalização bolsista
Um indicador da dimensão de uma empresa, calculado multiplicando o número total de ações emitidas por uma empresa pelo atual preço da ação. As empresas são normalmente agrupadas de acordo com a sua dimensão como sendo de pequena, média ou grande capitalização. Não existe consenso nas fronteiras monetárias destes intervalos, mas, como orientação aproximada, no mercado norte-americano: grande capitalização é superior a 10 mil milhões de dólares, média capitalização é igual a 2 mil milhões – 10 mil milhões de dólares e pequena capitalização é 250 milhões – 2 mil milhões de dólares.
CIP (Conta de Poupança Individual)
A CPI é basicamente um tipo de conta de poupança isenta de impostos. Existem dois tipos principais: uma CPI em Numerário e uma CPI em Participações e Ações. Pode colocar dinheiro numa CPI em Numerário e não paga impostos sobre quaisquer juros que receber. Invista numa CPI em Participações e Ações e não paga impostos sobre outros dividendos ou mais-valias.
Classes de ativos
Amplos grupos de diferentes tipos de investimentos. As principais classes de ativos de investimento são ações, obrigações e numerário. As classes de ativos não tradicionais são conhecidas como investimentos alternativos.
Cobertura cambial
Reduzir ou remover o risco de incorrer em perdas através de movimentos cambiais.  Tal consegue-se, normalmente, através da utilização de derivados, como futuros ou opções.
Colateral
Ativos dados como garantia contra um empréstimo. Se a dívida não puder ser reembolsada, o mutuante tem direito a assumir a propriedade do colateral. 
Comissão de gestão anual
Todos os anos, a sua sociedade gestora de investimento cobra uma comissão de gestão anual, geralmente uma percentagem do montante investido.
Comissão de subscrição
O montante que uma empresa cobra para criar a sua carteira de investimentos.
Correlação
Correlação é um indicador de como os títulos ou classes de ativos se movem em relação uns aos outros. Os investimentos altamente correlacionados tendem a mover-se para cima e para baixo em conjunto, enquanto os investimentos com baixa correlação tendem a ter desempenhos diferentes em diferentes condições de mercado, fornecendo aos investidores as vantagens de diversificação. A correlação é medida entre 1 (correlação perfeita) e -1 (correlação oposta perfeita). Um coeficiente de correlação de 0 sugere que não existe correlação.
Cotação/valor contabilístico
O rácio utilizado para comparar o preço das ações de uma empresa com o seu valor contabilístico (o valor contabilístico é o valor real dos ativos da empresa menos os seus passivos).
Crescimento dos ganhos
A alteração percentual nos ganhos de uma empresa por ação, geralmente medida durante um ano. 
Cupão
O pagamento regular de juros pago sobre uma obrigações. É descrito como uma percentagem do valor nominal de um investimento. Desta forma, uma obrigação com um valor nominal de 100 £ com um cupão de 5% irá pagar 5 £ por ano.

D

Declínio
Um declínio é normalmente registado como a percentagem entre os altos e baixos de um investimento durante um período específico. Pode ajudar a comparar a possível recompensa de um investimento com o seu risco. Em alternativa, ao investir em determinados tipos de fundos, particularmente fundos de capital de risco, tal pode também referir-se ao momento em que um investidor se compromete a investir uma soma de dinheiro, mas não a concede imediatamente na totalidade ao gestor do fundo. O gestor do fundo faz os investimentos e retira o dinheiro conforme necessário.
Derivados (Produtos Derivados)
O nome coletivo utilizado por uma ampla classe de instrumentos financeiros cujo valor provém de outros instrumentos financeiros subjacentes. Futuros, opções e swaps são todos tipos de produtos derivados.
Downside
A perda potencial para um determinado investimento. 
Desvio padrão
Um indicador de volatilidade histórica. É calculado comparando o retorno médio com a variação média desse retorno.
Disciplina de capital
Quando uma empresa utiliza disciplina e prudência em relação à quantidade de dinheiro que pede emprestado, angaria e gasta, de forma a proporcionar os melhores retornos aos seus acionistas e garantir a sua estabilidade a longo prazo. 
Distribuição de rendimento
A distribuição de rendimento para titulares de unidades de participação de fundos coletivos em proporção ao número de unidades detidas.
Diversificação
Criar uma carteira a partir de uma gama de ativos diferentes. Reduz o risco de perda através da exposição a qualquer ativo individual e pode ajudar a reduzir o risco global da carteira onde os ativos têm uma baixa correlação.
Dividendo
Um pagamento efetuado por uma empresa aos seus acionistas. A empresa decide de quanto será o dividendo e quando é que este será pago. 
DMIF
A Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) é uma Diretiva da UE que entrou em vigor a 1 de novembro de 2007 no Espaço Económico Europeu. Foi concebida para harmonizar os mercados financeiros na UE e criar uma abordagem consistente no seu regulamento.
Documentos de Informações Fundamentais para os Investidores (DIFI)
Um documento de duas páginas, exigido pelos fundos nos termos da legislação da UE, que substituiu o Prospeto Simplificado. Devem ser escritos em inglês simples e foram concebidos para permitirem a comparação entre fundos e incluem o objetivo de investimento, riscos principais, valor dos encargos correntes e desempenho passado.
Duração
Um indicador da sensibilidade a alterações nas taxas de juro de um investimento em obrigações. Quanto mais longa for a duração, maior é a sensibilidade. Calcular a duração para um investimento de rendimento fixo, como uma obrigação é um cálculo complicado. Considera-se o valor atual da obrigação, o cupão ou o pagamento de juros, o valor contabilístico e o número de anos que ainda resta à obrigação. Simplificando, quanto mais elevado for o número de duração, mais elevado é o possível retorno (e maior é o risco).
Duração efetiva do fundo
A duração efetiva é um indicador da sensibilidade da taxa de juro de um fundo. Simplificando, quanto mais longa for a duração de um fundo, mais sensível é o fundo às mudanças nas taxas de juro. Desta forma, um fundo com uma duração de 10 anos é duas vezes mais volátil que um fundo com duração de 5 anos.
Duração modificada
Uma fórmula para determinar a percentagem aproximada no valor de uma obrigação em resposta a uma alteração de 1% nas taxas de juro. Consulte também duração.

E

Efeito de alavancagem
Normalmente, o efeito de alavancagem refere-se a um fundo ser exposto, em mais de 100% do seu valor líquido patrimonial, a ativos ou mercados. O objetivo pode ser assumir mais risco para gerar retornos mais elevados ou, na verdade, para reduzir o risco na carteira. É alcançado pela combinação de produtos derivados com investimentos mais tradicionais em ações ou obrigações. Por confusão, o efeito de alavancagem também pode ser utilizado para referir o montante que uma empresa está a financiar através de empréstimo, i.e. quanto dinheiro deve em comparação com quanto dinheiro ou ativos possui. Isto também é descrito como “alavancagem”.
Emissão de direitos
Quando for concedido aos acionistas existentes o direito de comprar novas ações numa empresa num determinado período, em proporção com a participação existente, a um determinado preço (geralmente com desconto). 
Estratégia de retorno absoluto
Uma estratégia de investimento de retorno absoluto tem como objetivo proporcionar retornos positivos, independentemente do comportamento do mercado, em vez de apenas ter como objetivo registar um desempenho superior a um índice de referência.
Estratégia longa/curta
Uma estratégia, utilizada principalmente por hedge fund, que envolve assumir posições longas (comprar uma participação) em ações que se espera que aumentem de valor e posições curtas (pedir emprestada uma ação que não lhe pertence e vendê-la na esperança de a recomprar a um preço mais baixo para proceder à devolução ao mutuante de ações) em ações que se espera que diminuam de valor.
Ex ante (Tracking error)
O Tracking Error é um indicador de quão perto uma carteira de investimento segue o índice face ao qual é comparada. Se for utilizado um modelo para prever tal padrão (em vez de ser medido historicamente), este é denominado ex ante ou previsão. Consulte também ex post
Ex post (Tracking error)
O Tracking Error é um indicador de quão perto uma carteira de investimento segue o índice face ao qual é comparada. Se o tracking error for medido historicamente, este é denominado ex post ou tracking error realizado. Consulte também ex ante
Ex-dividendo
Aplicado a uma ação, mostra que um dividendo foi pago recentemente e que o comprador não o irá recebê-lo. 

F

Fundo autorizado
Um fundo que é autorizado e regulado pelo regulador financeiro do Reino Unido, a FCA (Financial Conduct Authority - Autoridade de Conduta Financeira).
Fundo de fundos
Fundos que investem noutros fundos, em vez de investirem diretamente em instrumentos financeiros.
Fundo de hedge funds
Um fundo que investe num cabaz de hedge funds subjacentes. Os fundos de hedge funds são tipicamente diversificados em várias estratégias e gestores subjacentes diferentes.
Fundo de investimento
Um organismo de investimento coletivo  gerido de forma profissional que reúne dinheiro de um grande número de investidores. 
Fundo multigestão
Um fundo multigestão investe numa gama de fundos diferentes. Este tipo de fundo oferece ao investidor uma diversificação quanto ao estilo e capacidades do gestor. No entanto, existem custos de gestão mais elevados associados a estes tipos de fundos.
Fundos de retorno absoluto
Fundos que são geridos com o objetivo de gerarem um retorno positivo durante períodos consecutivos de 12 meses
Fundos de Retorno Total ( ou variável beta)
Ações  Carteiras que variam a exposição aos mercados durante o ciclo económico para reduzir o risco de perda. O horizonte temporal típico é de três anos; o beta variará entre 0 e 1. Fundos de rendimento fixo Carteiras que gerem ativamente a exposição aos mercados durante o ciclo, com um horizonte temporal típico de três anos. Fundos multiativos  Risco mais baixo Carteiras que variam a exposição aos mercados em todo o ciclo económico para reduzirem o risco de perda. O horizonte temporal típico é de três anos. Risco mais elevado Carteiras de crescimento que variam a exposição aos mercados. O horizonte temporal típico é de cinco anos.
Futuros
Um acordo para comprar ou vender um ativo como uma obrigação ou ação, numa data específica no futuro a um preço acordado hoje. 

G

Ganhos por ação
Os lucros de uma empresa atribuídos a cada ação são calculados dividindo os lucros depois de impostos pelo número de ações.
Gestão ativa
Uma abordagem de gestão de investimento onde um gestor tem como objetivo superar o mercado através de pesquisa, análise e da sua própria avaliação. Consulte também Gestão passiva.
Gestão passiva
Um estilo de investimento que tem como objetivo replicar o desempenho de um índice de referência definido. Consulte também gestão ativa.
Grande capitalização
Consulte Capitalização bolsista.
Grupo de pares
Um grupo de fundos que pode ser comparado com outro, frequentemente para efeitos de desempenho. Um grupo de pares normalmente será baseado no âmbito de investimento dos fundos, por exemplo fundos de ações norte-americanos.

H

Hedge fund
Um nome coletivo para fundos com o objetivo de alcançar retornos absolutos através do investimento em mercados financeiros e/ou aplicar técnicas de gestão de carteira não tradicionais.  Os hedge funds podem investir utilizando uma ampla variedade de estratégias, desde conservadoras a agressivas.

I

Indicador Sintético de Risco e de Remuneração (ISRR)
Um número entre 1 e 7 mostrado em todos os Documentos das Informações Fundamentais para os Investidores para permitir a comparação dos perfis de risco e remuneração dos fundos. É calculado com base na volatilidade de retornos dos fundos simulados ou históricos. 1 é a classificação de risco mais baixa e 7 a mais elevada.
Índice de referência
Um padrão (geralmente um índice ou uma média de mercado) face ao qual o desempenho de um fundo de investimento pode ser medido. Muitos fundos são geridos face a um determinado índice de referência. 
Inflação
Um indicador do aumento nos preços de bens e serviços ao longo do tempo. 
Instrumentos do mercado monetário
Um instrumento de dívida de curto prazo emitido por um governo ou empresa como forma de angariar dinheiro. Atingem normalmente a maturidade, em menos de um ano.
Investimento ascendente (bottom up)
Investimento baseado numa análise de empresas individuais, em que o histórico, a gestão e o potencial de uma empresa são considerados mais importantes do que as tendências gerais do mercado ou setor (em oposição ao investimento descendente
Investimento de ímpeto
Uma estratégia de investimento que se baseia na ideia de que as tendências percebidas (como a subida ou a descida do preço das ações têm mais probabilidade de continuar do que de inverter. Um investidor de ímpeto tenta realizar ganhos comprando ações que vão subir de valor, pois acredita que o preço das ações continuará a subir. 
Investimento descendente (bottom down)
Uma estratégia de investimento que encontra os melhores setores ou indústrias para investir, com base na análise do setor empresarial como um todo e das tendências económicas gerais (em oposição ao investimento ascendente
Investimentos alternativos
Investimentos fora das classes de ativos tradicionais de ações, obrigações e numerário. Os investimentos alternativos incluem imóveis, hedge funds, matérias-primas, capitais privados e infraestruturas.

L

Liquidez
A facilidade com que um ativo pode ser vendido em dinheiro. Um ativo pode ser descrito como ilíquido, se demorar demasiado tempo a vender, como um imóvel, ou se é difícil encontrar alguém disposto a comprá-lo.

M

Macroeconómico
Refere-se ao comportamento e impulsionadores de uma economia como um todo. Fatores estudados incluem inflação, desemprego, etc. Por oposição, microeconómico: o comportamento de pequenas unidades económicas, como consumidores individuais ou famílias.
Matéria-prima física
A verdadeira matéria-prima, como ouro, óleo ou trigo. Muito do negócio nos mercados de matérias-primas está em contratos financeiros que estão associados ao preço da matéria-prima, não à entrega do produto físico.
Matérias-primas
Uma classe de ativos que abrange uma ampla gama de ativos físicos, incluindo petróleo e gás, metais e produção agrícola.
Maturidade
A data em que o montante original investido numa obrigação é reembolsado. A maturidade também pode significar o final da duração de um futuro ou opção.
Mercados desenvolvidos
Os países que tendem a ser industrializados e têm um elevado produto interno bruto. Os mercados desenvolvidos geralmente têm níveis de vida elevados e economias estáveis e são considerados mais seguros para investimento do que países menos desenvolvidos.
Mercados emergentes
Os países que têm economias em rápido crescimento e podem estar a passar pelo processo de industrialização.
Mercados fronteiriços
Países menos desenvolvidos dentro dos mercados emergentes. Os investimentos nestes países podem estar associados a riscos mais elevados, tais como aumento da instabilidade política e liquidez mais baixa, do que mercados mais desenvolvidos.

N

Notação de crédito
Os emitentes de obrigações podem pagar para que as suas obrigações obtenham uma notação de várias agências de notação de crédito, incluindo a Standard & Poor’s, a Moody’s e a Fitch. A notação de crédito foi concebida para dar aos investidores uma indicação da qualidade da obrigação, disponibilizando uma avaliação profissional do risco de que o emitente possa entrar em incumprimento em relação aos reembolsos de juros e capital. As notações de crédito estão sujeitas a uma análise regular e podem ser, e são, alteradas.
NURS
Os Organismos de Retalho Não OICVM (NURS - Non-UCITS Retail Schemes) são fundos estabelecidos e geridos de acordo com os regulamentos da FCA para esses organismos. As regras dos NURS permitem aos fundos aceder a classes de ativos adicionais acima e abaixo de OICVM.

O

Obrigação de alto rendimento (high yield)
Uma obrigação, especulativa com uma notação de crédito inferior a investment grade. Geralmente, quanto maior for o risco de incumprimento do emitente da obrigação, maior é o juro ou cupão.
Obrigação empresarial
Uma obrigação emitida por uma empresa.
Obrigação governamental
Uma obrigação emitida por um governo. 
Obrigações
Proporcionam uma forma de os governos e as empresas obterem fundos dos investidores para os atuais requisitos de gastos. Em troca de um pagamento inicial dos investidores, uma obrigação irá tipicamente obrigar o emitente a efetuar pagamentos de juros anuais e a reembolsar o montante de investimento inicial na maturidade, numa data específica no futuro. 
Obrigações convertíveis
Um tipo de obrigação que pode ser convertido num número predeterminado de ações na empresa que emite a obrigação.  
Obrigações convertíveis contingentes
Também conhecidas como CoCos, são ligeiramente diferentes das obrigações convertíveis regulares dado que a probabilidade de as obrigações serem convertidas em ações é contingente num evento específico, tal como o preço das ações da empresa excederem um determinado nível durante um determinado período de tempo.
Obrigações com investment grade
As obrigações de qualidade mais elevada conforme avaliadas por uma agência de notação de crédito. Para ser considerada como investment grade, uma obrigação tem de ter uma notação de crédito de pelo menos BBB (Standard & Poor’s) ou Baa3 (Moody’s). 
Obrigações indexadas à inflação
Obrigações onde os pagamentos de cupões e capital são indexados aos movimentos da inflação.  O indicador de inflação utilizado é previamente especificado.
OEIC (sociedade de investimentos do tipo aberto)
Um tipo de fundo de investimento, estruturado como uma empresa, que pode criar ações para novos investidores e que voltará a comprar ações a um investidor caso ele pretenda vender.
OICVM (Organismos de Investimento Coletivo em Valores Mobiliários)
Os fundos OICVM são fundos autorizados que podem ser vendidos em qualquer país na UE. Os regulamentos dos OICVM III permitem que os fundos invistam numa gama mais variada de instrumentos financeiros, incluindo derivados
Opções
Quando compra ou vende um ativo, tem o direito (mas não a obrigação) de comprar um ativo em particular a um preço acordado, na data ou antes da data em que a sua opção expira. 
Organismo de Investimento Coletivo (OIC)
Um fundo gerido profissionalmente que combina o dinheiro de um amplo leque de investidores num único veículo de investimento. Combina custos e permite acesso a um leque mais variado de investimentos do que os investidores seriam geralmente capazes de alcançar individualmente.
OTC (mercado de balcão)
A negociação de ações, obrigações, matérias-primas ou derivados diretamente entre duas partes, em vez de ser através de uma bolsa. 

P

Pequena capitalização
Consulte Capitalização bolsista.
PPA (Plano Poupança em Ações)
Um PPA era um tipo de conta de poupança isenta de impostos semelhante a uma CPI em Participações e Ações.  Já não pode abrir um PPA e, em abril de 2008, todos os PPA restantes foram convertidos em CPI em Participações e Ações.
Preço de compra
O preço que um comprador está disposto a pagar. No contexto de fundos, é o preço recebido pelo investidor ao resgatar uma ação ou uma unidade de participação num fundo com preços duplos. Consulte também preço de oferta.
Preço de oferta
O preço que um vendedor está disposto a aceitar pela venda de um título. No contexto de fundos, é o preço pago pelo investidor ao comprar uma ação ou uma unidade de participação num fundo com preços duplos.  Consulte também preço de compra
Prémio de risco (plural: prémios)
O retorno extra em dinheiro que um investidor espera ganhar como compensação por possuir um investimento que não está isento de riscos, por isso o seu valor pode descer ou subir. Existem alguns prémios de risco se o retorno extra esperado está acima e abaixo do retorno ganho por outro prémio de risco. Por exemplo, o prémio de risco de ações de pequenas empresas é o retorno extra que um investidor espera receber acima do retorno de ações de empresas grandes como compensação pelo investimento em pequenas empresas de maior risco.
Produto estruturado
Um produto estruturado é um produto pré-embalado que oferece um retorno estereotipado, claramente definido, baseado em parâmetros de investimento específicos. Os produtos estruturados utilizam produtos derivados e podem destinar-se a oferecer quer rendimento, participação, crescimento, ou mesmo uma combinação, associados ao desempenho de uma classe (ou classes) de ativos subjacentes.
Proteção de capital
Um investimento onde existe o objetivo de preservar um montante específico do investimento inicial.

Q

Quartil
Um indicador do desempenho de um investimento no seu grupo de pares. Por exemplo, um fundo do 1º Quartil estaria nos primeiros 25% dos fundos no seu grupo de pares.

R

Rácio de Custos Totais (TER)
As comissões totais envolvidas na gestão e operação de um fundo. O TER incluía a comissão de gestão anual e outros encargos, por exemplo custos legais, administrativos e de auditoria. A seguir à introdução dos Documentos das Informações Fundamentais para os Investidores, os TER fora substituídos pelos VEC.
Rácio de informação
Um indicador do quão positivo foi o desempenho de um gestor em relação ao nível de risco que correu. 
Rácio de Sharpe
Um indicador do desempenho ajustado ao risco. Quanto mais elevado for o rácio, melhor é o desempenho ajustado ao risco.
Rendimento
Um indicador do retorno sobre o rendimento ganho com um investimento. No caso de uma ação, o rendimento é o pagamento anual de dividendos expresso como uma percentagem do preço de mercado da ação.  Para imóveis, é o rendimento de rendas como uma percentagem do valor de capital. Para obrigações, o rendimento é o juro anual como uma percentagem do preço de mercado atual.
Rendimento até à maturidade (YTM)
A taxa de retorno prevista de uma obrigação se for detida até à data de maturidade.
Rendimento atual
O rendimento anual de um investimento, expresso como uma percentagem do preço atual. Por exemplo, se uma obrigação que vale 100 £ lhe proporciona um rendimento anual de 6 £, o rendimento atual é de 6%.
Rendimento de distribuição
Reflete os montantes que se esperam ser distribuídos nos próximos 12 meses como uma percentagem do preço médio de mercado do fundo à data apresentada. Baseia-se num instantâneo do fundo nesse dia. Não inclui qualquer encargo preliminar e os investidores poderão estar sujeitos a um imposto sobre a distribuição.
Rendimento de ganhos
Os ganhos por ação divididos pelo atual preço de mercado.
Rendimento de resgate
O rendimento é o retorno ganho sobre uma obrigação. O rendimento de resgate permite qualquer ganho ou perda do capital original, que é pago na data de maturidade. O retorno sobre uma obrigação, se for detida até à sua data de maturidade, reflete não apenas os pagamentos de juros que um titular de obrigações irá receber, mas também o ganho/perda efetuado quando atinge a maturidade. Os cálculos do rendimento sobre obrigações têm o objetivo de apresentar o retorno como uma percentagem do seu valor nominal ou do seu preço atual.
Rendimento de resgate bruto
O retorno total que poderia receber sobre uma obrigação, incluindo os juros ou cupão" acrescidos de qualquer crescimento de capital.
Rendimento dos dividendos (dividend yield)
O dividendo anual por ação dividido pelo atual preço das ações. É útil para comparar investimentos. Por exemplo, se as ações de uma empresa estão a ser negociadas a 100 £ e o dividendo anual é de 5 £, o rendimento dos dividendos é de 5%. No entanto, se as ações da empresa tiverem um valor de 200 £, o rendimento dos dividendos é de apenas de 2,5%.
Rendimento estável
Quando obrigações a curto e longo prazo estão a oferecer rendimentos equivalentes.
Rendimento fixo
Refere-se a títulos como obrigações que acarretam uma taxa de juro (cupão) predeterminada e fixa. Por oposição ao retorno variável sobre ações.
Rendimento histórico
As distribuições declaradas nos últimos 12 meses expressas como uma percentagem do preço médio de mercado, à data apresentada. Não inclui qualquer encargo preliminar e os investidores poderão estar sujeitos a um imposto sobre a distribuição. Assim, por exemplo, se uma obrigação, tiver pago 10 £ no último ano e o preço atual for 100 £, o rendimento histórico é de 10%.
Rendimento real
O retorno sobre um investimento menos o efeito da inflação. Desta forma, se o retorno sobre um investimento for de 7% com a inflação nos 3%, então o rendimento real é de 4%.
Rendimento subjacente
Reflete o rendimento anualizado deduzido de despesas do fundo sob a forma de uma percentagem do preço da unidade de mercado do fundo no dia apresentado. Baseia-se num instantâneo do fundo nesse dia.  Não inclui qualquer encargo preliminar e os investidores poderão estar sujeitos a um imposto sobre a distribuição.
Resgate
O reembolso do capital na maturidade de um investimento. 
Retorno anualizado
Para um período superior a um ano, um indicador do nível de retorno que foi alcançado em média em cada ano.
Retorno real
O retorno gerado por um investimento, tendo sido ajustado para efeitos da inflação.  Se um investimento cresceu em valor num retorno de 5% durante um ano e a taxa de inflação foi 2%, o retorno real seria 3%.
Retorno sobre o capital próprio
Um indicador da rentabilidade de uma empresa. Efetivamente, quanto lucro uma empresa gera com o dinheiro que os acionistas investiram. Por exemplo, se o capital de uma empresa for avaliado em 10 milhões £ e obtiver um lucro de 1 milhão £, o retorno sobre o capital próprio ou ROE é de 10%.
Retorno total
O retorno total sobre um investimento, incluindo qualquer valorização (ou depreciação) de capital acrescido de qualquer rendimento de juros ou dividendos. É medido durante um período definido e é dado sob a forma de uma percentagem do valor do investimento no início desse período.
Risco
A possibilidade de incorrer numa perda de um investimento. 
Risco ativo
Para tentar superar os retornos do índice de referência, o gestor de investimentos ativo tem de assumir posições de investimento diferentes das do índice de referência. Quando as posições são diferentes, os riscos também são diferentes. O risco que o gestor assume em relação ao risco do índice de referência é conhecido como risco ativo. Quanto mais elevado for o nível do risco ativo, maior é a possibilidade de os retornos se desviarem do índice de referência.
Risco cambial
O risco de perda através de movimentos cambiais adversos quando um fundo investe em ativos que são cotados numa moeda ou em moedas diferentes daquela em que o fundo é cotado.
Risco de crédito
O risco de um emitente de obrigações não conseguir cumprir a sua obrigação contratual de efetuar o pagamento de juros aos investidores. 
Risco de incumprimento
O risco de um emitente de obrigações não ser capaz de cumprir os seus pagamentos de dívida e, subsequentemente, entrar em incumprimento relativamente à sua obrigação contratual para com os investidores.
Risco de mercado
A possibilidade de que o valor de um investimento diminua devido a uma baixa geral nos mercados financeiros. Beta é o indicador da dimensão do risco de mercado que uma ação enfrenta. 

S

Sobreponderação
Quando uma carteira ou um fundo tem uma ponderação percentual numa classe de ativos, setor, área geográfica ou ação superior à do benchmark ou índice de referência face ao qual é avaliado.
Sobreposição
A aplicação de uma estratégia, normalmente baseada em derivados ou moedas, sobre um estilo de gestão de carteiras de investimento. Pode ser utilizado, por exemplo, para cobrir o risco ou gerar rendimento adicional.
Spread ajustado à opção do fundo
Uma forma de calcular o valor de um título de rendimento fixo, como uma obrigação, que contém uma opção incorporada. Por exemplo, quando o emitente da obrigação tem a opção de pagar antecipadamente um empréstimo, trata-se de uma opção incorporada e irá afetar o valor da obrigação.
Spread do rendimento
A diferença no rendimento entre tipos diferentes de obrigações (por exemplo, entre obrigação governamental e obrigação empresarial).
Subponderação
Quando uma carteira ou um fundo tem uma ponderação percentual numa classe de ativos, setor, área geográfica ou ação inferior à do benchmark ou índice de referência definido face ao qual é avaliado.
Swap de incumprimento de crédito (CDS)
Um CDS é um derivados. É um tipo de garantia contra o incumprimento de dívida. O comprador de um CDS paga um prémio a um vendedor de CDS em troca da garantia de que se a dívida entrar em incumprimento, o vendedor de CDS pagará a mesma ao comprador. O vendedor de CDS especula contra o risco de incumprimento e espera lucrar com os pagamentos dos prémios. Quanto maior o risco de incumprimento, maior o prémio.
Swap de taxa de juro
Um tipo de swap. A forma mais comum de swap de taxa de juro é onde uma parte paga uma taxa de juro fixa em troca de uma taxa variável.
Swaps
Um derivado em que duas partes trocam determinados benefícios dos instrumentos financeiros de cada uma. Estes são negociados no mercado de balcão (OTC).

T

Título
Termo geral para uma ação ou instrumento de dívida emitido por um governo ou empresa. 
Título com garantia hipotecária (MBS)
Semelhante a um título garantido por ativos, este é um título que combina reembolsos de hipotecas para permitir efetivamente que mercados de investimento emprestem a proprietários de casas ou empresas através de instituições financeiras, que podem não estar dispostas a assumir o risco de serem elas a emitir hipotecas.
Títulos garantidos por ativos (ABS)
Um investimento que deriva o seu valor e pagamentos de rendimento de um cabaz de ativos ilíquidos (consulte liquidez). Isto permite aos investidores acederem a um cabaz diversificado de ativos que, de outra forma, não conseguiriam comprar, por exemplo reembolsos de empréstimos.
Tracking error
Um indicador de quão perto uma carteira de investimento segue o índice face ao qual é comparada. Consulte também tracking error previsto, tracking error realizado, ex ante e ex post
Tracking error previsto
O Tracking error é um indicador de quão perto uma carteira de investimento segue o índice face ao qual é comparada. Se for utilizado um modelo para prever tal padrão (em vez de ser medido historicamente), este é denominado previsto ou ex ante. Consulte também tracking error realizado.
Tracking error realizado
O Tracking Error é um indicador de quão perto uma carteira de investimento segue o índice face ao qual é comparada. Se o tracking error for medido historicamente, este é denominado realizado ou ex post.  Consulte também tracking error previsto.
Trust de investimento
Um trust de investimento é um organismo de investimento coletivo fechado com um número limitado de ações que une ativos de vários investidores diferentes com o objetivo de aumentar a flexibilidade e reduzir os custos. São empresas que negociam no seu direito próprio, o que significa que o preço das ações está sujeito à oferta e à procura. Ao contrário de um fundo do tipo aberto, o gestor não tem de negociar com fluxos do fundo e, por conseguinte, nunca age como um vendedor/comprador forçado.

U

Unidades de capitalização
Unidades num organismo de investimento coletivo onde qualquer rendimento é automaticamente reinvestido no organismo. Consulte também unidades de rendimento.
Unidades de rendimento
Uma participação num fundo coletivo que paga juros ou dividendos aos investidores, em vez de os reinvestir novamente no fundo. Consulte também unidades de capitalização.
Unit trust
Um tipo de veículo de investimento coletivo aberto, ou fundo, que é estruturado como um trust. 
Universo de investimento
O leque total de investimentos a partir dos quais um gestor do fundo pode escolher, conforme definido pelo objetivo de investimento declarado do fundo.

V

Valor contabilístico
O custo original de um investimento. Enquanto os preços de mercado podem subir e descer, o valor contabilístico permanece igual.
Valor dos encargos correntes (VEC)
O VEC é constituído pela Comissão de Gestão Anual (CGA) e outros custos operacionais. A CGA é aplicada pelo gestor e utilizada para pagar o gestor de investimentos, o consultor financeiro e o distribuidor. Outros custos operacionais incluem os custos para outros serviços pagos pelo fundo, como as comissões pagas ao trustee (ou depositário), depositário, auditor e regulador. 
Valor nominal
O valor nominal de um título em oposição ao seu preço de mercado atual. No caso de uma obrigação representa o capital devido na maturidade.
Venda a descoberto (também referido como posição vendida, tomar uma posição curta, vender a descoberto)
Vender ativos que pediu emprestados a terceiros e comprá-los novamente numa data posterior para devolver ao mutuante. Quem vende a descoberto espera obter um lucro de uma diminuição do preço dos ativos entre a venda e a recompra.
Volatilidade
Um indicador estatístico das flutuações do preço de um título. Pode também ser utilizada para descrever flutuações num mercado em particular. A volatilidade elevada é uma indicação de maior risco. 

W

Warrant
Um certificado, geralmente emitido com uma obrigação ou ação, que dá direito ao titular de comprar ações ordinárias a um preço fixo, durante um período de tempo ou permanentemente. Os warrants são muitas vezes incluídos como um incentivo para atrair os investidores. Um warrant é transferível gratuitamente e pode ser negociado separadamente.