Perspective

Os três elementos essenciais dos investimentos sustentáveis


Os fundos sustentáveis têm crescido rapidamente nos últimos anos, com o mundo se tornando cada vez mais consciente da importância de questões ambientais e à medida que a atual pandemia coloca as questões sociais em primeiro plano. No entanto, não existe uma definição padrão do que é um investimento sustentável.

O termo “sustentabilidade” é frequentemente sobreutilizado no setor de investimentos, e se tornou uma espécie de termo guarda-chuva para uma série de abordagens diferentes. Nossos colegas da Equipe de Investimentos Sustentáveis da Schroders criaram um mini-guia para ajudar a decifrar o jargão: Tudo que você precisa saber sobre investimentos sustentáveis.

Com relação à nossa abordagem, existem três elementos que consideramos essenciais:

  1. Propósito – o que acreditamos que o investimento sustentável pode alcançar em termos de retorno de investimento e como ele pode influenciar o comportamento da empresa;
  2.  Pessoas – avaliar a sustentabilidade é muitas vezes uma decisão difícil, que não pode ser resumida a escores ou classificações de terceiros;
  3. Processo – como combinar propósitos e pessoas para criar um processo reprodutível que evolui e melhora com o tempo.

Investir com um propósito

Para nós, o objetivo do investimento sustentável é impactar positivamente a sociedade e o comportamento empresarial e, ao mesmo tempo, ajudar os clientes a atingirem seus objetivos de investimento. Significa optar por alocar nosso capital em empresas que já estão operando de forma sustentável, se encontram em transição, ou estão em processo de melhoria do seu perfil de sustentabilidade.

Existe hoje uma noção, ainda bastante comum, que investidores precisam comprometer suas aspirações de risco e retorno para gerar impactos positivos. Acreditamos firmemente que esta noção é equivocada; a sustentabilidade é um elemento integrante do investimento, não um trade-off.

Um investimento sustentável estabelece padrões mínimos de comportamento para a empresa investida. Se a empresa realiza atividades ou tem comportamentos que estão causando sérios danos à sociedade, então não há valoração, por mais atrativa que seja, que possa compensar esse impacto negativo. Mas nós não achamos que demarcar um limite como esse seja prejudicial para o retorno do investimento.

Por que pensamos assim? Em última análise, porque o que buscamos são modelos de negócios sustentáveis. Como investidores em renda variável europeia, buscamos investir a longo prazo e avaliar as perspectivas futuras de uma empresa. Elas têm como expandir seus negócios? Elas têm como melhorar suas margens de lucro? Elas correm o risco de multas regulatórias ou de ficar para trás em relação aos concorrentes?

Por exemplo, se uma empresa não está considerando adequadamente seu impacto no meio ambiente, ela corre o risco de ser multada por órgãos fiscalizadores e ter sua reputação perante seus clientes afetada. Se a empresa paga mal a seus funcionários, ela poderá ter problemas com a retenção de talentos, e as margens de lucro poderão ser menores no futuro se os salários precisarem aumentar. Por outro lado, as empresas que consideram seu impacto sobre as partes interessadas, como funcionários ou meio ambiente, estão em melhor posição para evitar esses riscos.

É importante mencionar que não estamos simplesmente investindo nas empresas mais sustentáveis da atualidade, independentemente das perspectivas de preço de suas ações. Procuramos oportunidades em ações mal avaliadas, em que o preço atual não reflete o potencial da empresa. Identificar os riscos de sustentabilidade e o potencial de melhoria é um elemento essencial para tentar obter retornos de investimento mais elevados.

Análises realizadas por pessoas

Avaliar riscos e oportunidades de sustentabilidade muitas vezes se resume a capacidade de análise crítica. É aqui que o apoio da nossa equipe de analistas de renda variável europeia é inestimável.

Como dissemos acima, investir de forma sustentável significa ter um impacto positivo na sociedade e no comportamento empresarial. Ao considerar o impacto de uma empresa, podemos dividi-lo em três categorias:

  1. o que uma empresa faz (em termos de produtos ou serviços que oferece);
  2. quais custos ou benefícios a empresa impõe à sociedade (algo que pode não ser óbvio à primeira vista). Na Schroders, temos nossa ferramenta de investimento SustainEx que nos ajuda a avaliar justamente isso; 
  3. como a empresa trata seus colaboradores, fornecedores e demais investidores. Temos mais uma ferramenta de investimento, a CONTEXT, que nos permite avaliar e comparar uma empresa a seus pares.

É importante ressaltar que essas avaliações são feitas a par e passo com nossas análises financeiras usuais. O que descobrimos é que fazer perguntas sobre questões de sustentabilidade nos ajuda a obter uma compreensão mais profunda de um negócio. Em vez de tratar apenas com a equipe de gestão executiva da empresa, analisar questões de sustentabilidade em toda a empresa pode muitas vezes fornecer uma imagem mais clara do lado operacional de um negócio.

Isso é particularmente importante para nós, investidores em renda variável europeia. A Europa como um todo está à frente do resto do mundo no que diz respeito a relatórios de sustentabilidade. Isso torna ainda mais essencial para nós verificar se uma empresa trata a sustentabilidade como atividade “burocrática” ou se ela realmente está inserida no negócio.

Em vez de depender de ferramentas mais inespecíficas, p. ex. escores de terceiros como a Sustainalytics, as conversas que nós e nossos analistas temos com as empresas nos permitem construir uma imagem diferenciada e voltada para o futuro. À medida que a sustentabilidade cresce como fator relevante, essas conversas são cada vez mais uma parceria, uma em que nós e as empresas com as quais nos envolvemos buscamos maneiras de melhorar. As perguntas que fazemos podem ajudar a impulsionar o progresso na empresa.

Por exemplo, pode ser que uma empresa tenha desenvolvido práticas sustentáveis, mas precise de ajuda na melhor forma de evidenciar isso. Outras empresas – especialmente as de menor porte – podem precisar de orientação sobre quais são as melhores práticas.

Às vezes, encontramos situações em que uma empresa não está seguindo as melhores práticas em uma questão de sustentabilidade. Mas, ao invés disso virar automaticamente um sinal vermelho, nossos analistas podem trabalhar com a empresa para descobrir se há um motivo válido. Essa capacidade de discutir as áreas mais nebulosas da sustentabilidade é essencial, em nossa opinião, e é algo que se perde se você confiar apenas nas avaliações de terceiros. Frequentemente, também descobrimos que uma conversa sobre questões de sustentabilidade com uma empresa pode nos ajudar a compreender questões semelhantes enfrentadas por outra empresa.

Um processo reprodutível

Combinamos nossos propósitos, ferramentas e percepções para criar um processo de avaliação da sustentabilidade que é voltado para o futuro, reprodutível e válido em diferentes setores.

É também um processo que funciona mesmo que estejamos olhando para ações de baixa valoração ou áreas de mercado com “crescimento de qualidade”. Empresas com crescimento de qualidade tendem a ter retornos consistentes, e isso geralmente é visto como um sinal de sustentabilidade. Mas empresas de baixa valoração também podem ser investimentos sustentáveis.

O setor bancário é um segmento de baixa valoração que destacamos porque tem que lidar com diversas questões árduas de sustentabilidade. Isso inclui, por exemplo, como analisam para quem emprestam dinheiro e quais atividades podem estar financiando, bem como a segurança do cliente com o surgimento do online banking. Não há muitas respostas fáceis a estas perguntas, mas os bancos estão cientes dos riscos de multas e danos à reputação que podem sofrer quando as coisas dão errado. O entendimento de sustentabilidade dos bancos, portanto, é mais avançado do que os preços de suas ações podem sugerir.

Um elemento crucial do nosso processo é que ele pode evoluir à medida que as questões de sustentabilidade ganham importância para os clientes e para a sociedade em geral. A pandemia, por exemplo, demonstrou a importância de ter cadeias de suprimentos resilientes e do tratamento dos funcionários. Acreditamos que os requisitos de sustentabilidade devem se tornar mais rigorosos com o tempo; a boa prática de hoje pode ser o requerimento mínimo de amanhã. Nosso processo tem a capacidade de evoluir e melhorar, nos permitindo manter o foco no futuro e nas melhores oportunidades mal avaliadas que pudermos encontrar.

O valor dos investimentos e dos rendimentos obtidos pode aumentar ou diminuir, e investidores podem não recuperar os valores originalmente investidos.