印刷する Partilhar

In focus - Estudo de Investidores Globais

Apenas um quinto dos investidores manteve a calma durante a queda do mercado acionista em 2018

De acordo com o Estudo de Investidores Globais da Schroders, apenas 18% dos investidores mantiveram o seu plano de investimento a longo prazo durante a turbulência nos mercados do ano passado.

01/07/2019

David Brett

David Brett

Investment Writer

2018 foi um ano difícil para os investidores, com as acentuadas quedas nos mercados acionistas globais a porem os nervos dos investidores à prova. As mais recentes análises globais mostram que apenas 18% dos investidores afirmaram ter mantido os seus planos de investimento durante o período de três meses de volatilidade no final de 2018.
 
As conclusões fizeram parte do Estudo de Investidores Globais 2019 da Schroders, que recolheu a opinião de mais de 25.000 investidores em 32 países.
 
A maioria (70%) dos investidores afirmou ter efetuado alterações no perfil de risco da sua carteira durante esse período. Pouco mais de um terço (35%) assumiu mais risco, a maioria (56%) mudou para investimentos de menor risco (36%) ou para liquidez (20%). 9% efetuaram alterações à sua carteira, mas mantiveram o mesmo perfil de risco.
 
287130_SGIS_2019_TH1Article1_2PTPT01.png
 
Fonte: Estudo de Investidores Globais 2019 da Schroders: Nos últimos três meses de 2018, o Índice MSCI World de ações globais caiu drasticamente devido a preocupações acerca da economia global. Quais foram as alterações que realizou na sua carteira de investimento em resposta direta a este período de volatilidade no mercado?
 
 
Apesar das alterações, diversos investidores manifestaram frustração face ao desempenho da sua carteira. Mais de metade dos investidores (51%) afirmaram não terem alcançado aquilo que pretendiam com os seus investimentos nos últimos cinco anos e muitos atribuíram a causa do fracasso à sua própria ação ou inação.
 
A incerteza durante o período em questão foi particularmente significativa.  As ações globais sofreram a pior queda trimestral em sete anos no final de 2018, por entre receios acerca da economia global, impulsionados pelo agravamento da guerra comercial entre os EUA e a China. O índice MSCI World caiu 13,9%, a 11ª pior queda trimestral desde 1970.

Turbulência na bolsa: A subida e descida das ações globais no 3º trimestre de 2018’

market-rise-fall-global-stocks-cs1582-770px_noTitle.jpg
Fonte: Schroders. Os dados definitivos do índice de preços MSCI World corrigidos em 12 de junho de 2019.
 
Claire Walsh, Diretora de Finanças Pessoais da Schroders, afirmou: "Ninguém gosta de perder dinheiro, pelo que não surpreende que quando os mercados caem, os investidores fiquem nervosos. As análises mostram repetidamente que os investidores sentem a dor da perda com muito mais intensidade do que a satisfação dos ganhos.
Isto pode afetar a tomada de decisões.
 
“Como o nosso estudo demonstra, apenas três meses de turbulência nos mercados levaram muitos investidores a fazer mudanças no que deveriam ser planos de investimento de longo prazo. Isto poderia levá-los a cometer erros clássicos de investimento. Entre estes, a venda durante a queda quando as coisas estão más ou a mudança do investimento para liquidez na tentativa de proteger o seu património, mas, depois, deixando-o aí durante muito tempo, onde pode ser devorado pela inflação com o decorrer do tempo.
 
"Estes são motores psicológicos designados como “finanças comportamentais” pelo setor dos investimentos. Em última análise, é difícil prever o comportamento dos mercados, mas ter maior consciência das tendências que podem afetar as decisões é uma boa forma de ajudar a preservar o seu património".

A dificuldade com o timing do mercado

As conclusões do Estudo de Investidores Globais sugerem que os investidores estão a tentar prever os momentos oportunos de mercado. Comprar barato e vender caro é o objetivo de qualquer investidor. Todavia, o timing preciso do mercado é notoriamente difícil, ou mesmo impossível, de adivinhar.
 
As análises anteriores levadas a cabo pela Schroders mostram os custos que um timing errado pode ter. Por exemplo, se em 2003 tivesse investido 1.000 USD no MSCI World, mantendo esse investimento inalterado durante os 15 anos seguintes, teria agora 4.211 USD. (Tenha em mente, obviamente, que o desempenho passado não é garantia de desempenho futuro.)
 
Todavia, se tivesse tentado escolher o momento oportuno da sua entrada e saída do mercado durante esse período e perdido os 30 melhores dias do índice, o mesmo investimento teria agora um valor de 1.268 USD, ou seja 2.943 USD menos.

Os investidores mantêm o investimento em média durante 2,6 anos.

O Estudo de Investidores Globais 2019 da Schroders também revela que os investidores tendem a assumir uma visão de relativamente curto prazo. Em média, as pessoas mantêm o investimento 2,6 anos antes de transferirem o dinheiro para outro lado ou de o converterem em liquidez.
 
287130_SGIS_2019_TH1Article1_2PTPT02.png
 
Fonte: Estudo de Investidores Globais 2019 da Schroders: Excluindo quaisquer investimentos em pensões ou bens imobiliários que possa ter, em média, quando coloca dinheiro num produto de investimento, durante quanto tempo mantém o investimento (antes de o transferir ou converter em liquidez)?
 
Apenas 13% dos investidores afirmaram manter o investimento durante o período mínimo de cinco anos frequentemente recomendado pelos consultores financeiros, enquanto 41% afirmaram manter o investimento por um ano ou menos.
 
"Regra geral, quanto maior for o prazo do investimento, mais tempo terá para ultrapassar os obstáculos do caminho, sendo esse o motivo pelo qual se sugere que invista por um período mínimo de cinco anos", afirma Walsh.
 
"É ligeiramente preocupante que uma grande parte dos investidores não o faça. As pessoas têm diferentes objetivos de investimento, como comprar uma casa ou investir para a reforma. Todavia, se os seus objetivos forem verdadeiramente a curto prazo, como comprar um carro, talvez seja melhor optar por uma conta a prazo."
 
A Schroders encomendou à Research Plus Ltd a realização de um inquérito online independente a 25.743 investidores em 32 países em todo o mundo, com trabalho de campo realizado entre 4 de abril e 7 de maio de 2019. Este estudo define "investidores" como aqueles que investirão pelo menos 10.000 euros (ou o equivalente) nos próximos 12 meses e que fizeram alterações nos seus investimentos nos últimos 10 anos. Estas pessoas representam as opiniões dos investidores em cada país incluído no estudo.