Perspective

Perguntas e respostas sobre participação ativa: Os investidores podem promover a mudança?


A participação ativa é um dos instrumentos mais importantes à disposição de um investidor sustentável.

Kimberley Lewis, Diretora de Participação Ativa da Schroders, explica: “Acreditamos que ao tomar a decisão de investir numa empresa em nome dos clientes, a Schroders conseguirá proteger e aumentar o valor desse investimento ao exercer uma participação ativa e colaborar com essa empresa. Isto é fundamental na filosofia de investimento da Schroders.”

Mas o que é a participação ativa? Em que consiste na prática? De que forma está a Schroders a exercer pressão para que ocorram mudanças no seio das administrações das empresas?

O que é a participação ativa?

KL: “A participação ativa implica uma colaboração com as empresas no sentido de influenciar o comportamento empresarial no que se refere a questões de sustentabilidade a longo prazo.

“Através do diálogo permanente, conhecemos melhor as empresas e, quando necessário, pedimos-lhes que alterem as suas práticas. Adicionalmente, temos a oportunidade de votar na assembleia geral das empresas uma vez por ano.”

O que queremos dizer com “colaboração” quando falamos de participação ativa?

Hannah Simons, Diretora de Estratégia de Sustentabilidade, explica: “Quando no setor se fala em “colaboração”, trata-se de um termo que descreve as interações com empresas nas quais investimos o dinheiro dos nossos clientes.

Este tipo de interação é crucial no nosso processo de avaliação daquilo que é um bom investimento. Por isso, não é apenas a nossa equipa de investimentos sustentáveis ​​que promove essas atividades, mas também gestores de carteira e analistas financeiros.”

Por que motivo é importante uma colaboração com as empresas?

KL: “Porque ao interagirmos com as empresas conseguimos entendê-las melhor e também deixar claras as nossas expectativas.

Em última análise, essa ligação e esse entendimento partilhados são cruciais quando se debate a concretização de mudanças que, a nosso ver, são necessárias para salvaguardar e até aumentar o valor dos investimentos pelos quais somos responsáveis.”

Como funciona na prática?

KL: “Uma colaboração tem início geralmente com o estabelecimento da base para esse entendimento comum e com o esclarecimento à empresa da nossa posição sobre um tópico em concreto.

Entre os métodos que usamos incluem-se reuniões individuais com representantes da empresa como, por exemplo, membros do conselho de administração ou gestores de áreas especializadas, telefonemas ou correspondência escrita com consultores e partes interessadas da empresa, além de colaborações ativas com outras empresas, por exemplo, sobre estruturas concetuais de relato.”

Estudo de caso sobre a Recruit Holdings: Melhorar uma empresa de recrutamento

Por Katherine Davidson, Gestora de Carteira e Especialista em Sustentabilidade

Investimos há vários anos na Recruit Holdings, com sede em Tóquio, e temos uma participação de quase 1% na empresa. Os seus ativos mais importantes são os websites de recrutamento Glassdoor e Indeed.

A missão da empresa é priorizar o valor social, tornando o mercado de trabalho mais eficiente e incentivando a diversidade.

Em 2019, apresentámos a nossa visão sobre a gestão do negócio e a remuneração dos executivos. Em 2020, a Recruit nomeou a primeira mulher para o conselho de administração.

Em março de 2021 incentivámos a Recruit a definir metas de emissões líquidas nulas e, em maio de 2021, a empresa anunciou pela primeira vez metas de redução de emissões para toda a empresa, incluindo planos para emissões líquidas nulas até 2030.

As nossas discussões subsequentes com a empresa concentraram-se na implementação, incluindo em melhores práticas para as compensações de carbono. A empresa também anunciou metas de paridade de género em todos os níveis da organização até 2030.

A Recruit prevê alcançar esse objetivo acelerando o desenvolvimento de mulheres mais jovens e prevê contratar mais mulheres estrangeiras por forma a aumentar a equipa de talentos femininos.

As metas de diversidade estão agora consagradas na estrutura de remuneração dos executivos seniores. Continuaremos a acompanhar o progresso da Recruit, mas consideramos muito encorajadoras as medidas já tomadas.
A empresa anunciou recentemente a nomeação de outra mulher independente para o conselho de administração a partir de 2022, o que elevará a representação feminina a 30%.

A que questões se dedica a Schroders?

HS: “Centramo-nos em questões que, após uma avaliação completa, consideramos relevantes para o valor a longo prazo das nossas participações. Fazemo-lo considerando a ligação e o impacto de uma empresa às suas principais partes interessadas: colaboradores, clientes, comunidades, meio ambiente, fornecedores e reguladores.

A estrutura de governação e a qualidade da gestão que supervisiona essas relações com as partes interessadas também são um foco importante nas discussões de colaboração.”

Qual o segredo de uma colaboração bem-sucedida?

KL: “Acreditamos que há quatro atributos críticos para que uma participação ativa e uma colaboração sejam bem-sucedidas: conhecimento, relacionamentos, impacto e incentivos.

Além de aproveitar a experiência da equipa de investimento sustentável, tiramos partido das perspetivas dos nossos gestores de carteira, analistas, parceiros externos e clientes a fim de compreender a fundo quais as questões de sustentabilidade consideradas pertinentes para um desempenho a longo prazo.

A Schroders construiu relacionamentos fortes e duradouros com muitas empresas nas quais investe desde 2000, tal como ilustrado pelo seu histórico de interação.

A visão obtida por meio da colaboração pode influenciar diretamente a justificativa de um investimento.

Em última análise, temos a capacidade de reduzir ou inclusivamente vender uma participação se a colaboração não for bem-sucedida, ou não investir de todo. No caso de ações cotadas, exercemos os nossos direitos de voto.”

Como comunicam o progresso?

KL: “Comunicamos trimestralmente todos os aspetos da nossa colaboração. De forma a cumprir esta meta, mantemos um registo contínuo das nossas atividades colaborativas e analisamos o progresso em relação aos objetivos previamente estabelecidos. Mas ter um mecanismo robusto para avaliar o progresso não é importante apenas para a comunicação de informações.

Para nós, é também uma oportunidade de aprendizagem e uma forma de comprovar qual a abordagem com maior probabilidade de sucesso e em que circunstâncias.”

HS: “Os nossos clientes costumam inquirir-nos sobre o processo de comunicação do progresso. A nossa abertura relativamente ao processo é também crucial para que nos considerem responsáveis enquanto investidores.”

A nossa visão para o futuro da nossa participação ativa

A Schroders tem um longo histórico de colaboração e participação ativa. Nomeámos o nosso primeiro colaborador na área de governação em 1998 e temos vindo a registar e a acompanhar os compromissos em matéria de fatores ambientais, sociais e de governação há mais de 20 anos.

A nossa equipa de participação ativa em rápido crescimento está a desenvolver ainda mais essa base e estabeleceu a sua visão num Plano de Interação recentemente publicado. Pode ser encontrado na seção Participação ativa do nosso website.

KL: “Esse foco no nosso futuro esforço de participação ativa está enraizado nos resultados a longo prazo que queremos ter nas nossas participações e vamos usá-lo como uma bússola para os nossos futuros compromissos.”